Barcos e motores fraquinhos

Recebi uma chamada de um amigo de longa data, a dar-me a informação de que iria proceder à compra de um barco. É sempre feliz a primeira reacção de saber que um amigo vai lançar-se nesta aventura de adquirir uma embarcação, e que terá a oportunidade de ir ao mar quando e como quiser. E eu fiquei feliz por ele, e por vê-lo tão motivado.

Mas, e porque tenho várias embarcações e sei o que custa mantê-las a navegar, ou seja, quanto custam por ano em taxas de farolagem, atracação em marina, revisão de motores, mudança de palamenta que tem prazo de validade, tal como os fachos de mão, sinais de fumo, medicamentos, etc, resolvi fazer-lhe algumas perguntas. 
E foi aí que cheguei à conclusão que esse meu amigo estava a preparar-se para cometer a asneira de todos os principiantes: queria comprar “um barquinho”, coisa pequenina, para ir à pesca de vez em quando, ….e que isso lhe custaria algo como 16.000 euros. 

É corrente que se subestime a necessidade que temos de sair ao mar com um barco que nos dê tudo aquilo que é necessário: segurança, confiança, rapidez de deslocação e ainda que seja efectivamente útil, que se possa pescar dentro dele. Quando se planeia a compra de uma barco para deixar em Sesimbra, há que pensar em todos os detalhes. Com uma reserva que ocupa dezenas de quilómetros em redor, há que pensar que cada saída será feita longe do porto de abrigo. Logo há que contar com a autonomia do barco, depósito de combustível, capacidade de vencer distâncias num espaço de tempo relativamente curto, etc. Porque o tempo muda e não é bom estar no mar quando o momento é de estar em terra. 
Esse meu amigo apenas se concentrou na conversa que teve com o vendedor do barco, que estará seguramente mais que rotinado em dar a volta a quem gostava de ter um barco, mas apenas tem dinheiro para ter um barquinho.

E a seguir, vamos encontrar esse barquinho no OLX dos barquinhos, porque rapidamente se chega à conclusão que os barcos só são grandes em terra. No mar, não há barcos grandes demais. Fazer pesca num barco pequeno é todo um exercício de malabarismo que raramente dá certo. As pessoas precisam de espaço, para se movimentarem, para pescar, para aproveitar as oportunidades que surgem. Se estamos num barquinho, e temos o azar de ter convidado alguns amigos, o mais natural é que se passem horas a cortar linhas embaraçadas, e que se transforme uma saída de pesca num calvário de horror que só termina em casa. Um barco de 16.000€, dificilmente não será uma banheira pequena.

É muito importante ter um motor que responda quando precisamos dele. Se acontece levantar mar, nada pior que olharmos para a nossa máquina e ver que não podemos fazer grande coisa...


Temos de pensar que, com um motor de 25 CV, aquilo que podemos esperar em termos de performance é isso mesmo, uma coisa muito curta. E por mais pacientes que sejamos, um dia salta-nos a tampa porque nunca mais chegamos ao sítio, ou porque o vento começou a soprar e estamos encravados no meio das ondas com o motor no máximo, …sem andar.

É minha opinião de que não se deve comprar um barco sem atender a todos os detalhes que devem ser considerados. Há que saber de antemão qual a finalidade a que se destina o barco, o que queremos fazer com ele, quantas pessoas irão sair dentro, onde é que queremos/podemos ir com ele, quais as condições de mar habituais na zona, quer em termos de ondulação quer de ventos predominantes, que tipo de pesca se pretende fazer, etc, etc. 
E só depois, com todos os dados na mão, então sim, vamos olhar os catálogos. 



Nas minhas embarcações, a qualidade dos motores é imprescindível. Porque são eles que nos levam à pesca e trazem para casa, para junto da família. Trabalho com um motor de 175 HP Honda, ou com um conjunto de 2x 200 HP Honda. Dependendo do sítio onde vou pescar, assim decido que tipo de barco é mais conveniente. Sei que quem sai comigo quer pescar, não tem como objectivo passear e olhar para as gaivotas. Por isso, …é para andar, e rápido, direito aos pesqueiros. Gasta-se mais gasolina, é verdade, mas pescam-se mais 3 horas por dia….

Nesta circunstância, penso que terei conseguido que esse meu amigo não desse esse passo de comprar aquilo que apenas iria ser um pesadelo terrível na sua vida. 
Mais vale não comprar do que comprar mal. Se o dinheiro é curto, espera-se e aguarda-se melhor momento. 
Porque comprar mal significa encarecer o barco que vem a seguir, porque há que somar o preço dos... dois barcos.


Vítor Ganchinho



Comentários