Mar - Aproveitamento de construção humana

Já aqui vos disse anteriormente que cada centímetro de costa é disputado de forma titânica pelos habitantes marinhos. Esta luta é ainda mais escarniçada quando se trata de “um lugar ao sol”, ou seja, um bocado de terreno numa zona com alimento. As estruturas em cimento, ou mesmo metálicas, são muito rapidamente colonizadas por seres que delas necessitam para fixar residência. São cracas, lapas, mexilhões, perceves, ouriços e mais alguns que não conseguimos ver a olho nú, mas que estão lá. 
Quanto mais anos passam mais é visível o efeito da “apropriação de espaço” que é feita por esta quantidade tremenda de seres que reclamam um espaço para si. Caso não os entendam como importantes, deixem-me dizer-vos que eles são imprescindíveis à alimentação de peixes que vocês conhecem bem: sargos, douradas, bodiões, etc. Há peixes mariscadores que dependem em absoluto desta fonte de alimento. Mesmo os herbívoros, o caso da salema, da tainha, visitam frequentemente as estruturas por nós construídas. 

Pequeno cardume de salemas a comer minúsculas algas rasas neste blocos de cimento. 




Os pés-de-galo são estruturas construídas pelo homem que têm um interesse enorme para os peixes. Porque servem de fixadores para nutrientes, tais como cracas, lapas, ouriços, mexilhões, perceves, etc. 
Para além disso, dão-lhes o grau máximo de protecção contra outros predadores e sobretudo, contra o homem. Um peixe que entra neste labirinto de espaços escuros, está completamente protegido. 
Ficariam surpreendidos com a qualidade e quantidade dos peixes que entocam em pés-de-galo: robalos, meros, douradas, ….

Aqui podem ver algumas lapas e para aqueles que sabem o que é, milhares de cracas. Os sargos adoram-nas. Ver foto seguinte, onde podem observar este animal mais de perto.


Estrela-do-mar sobre um campo de cracas.

Certamente já repararam que os sargos, quando os abrimos para retirar as vísceras, têm dentro do estômago uma imensidão de partículas, pequenas placas calcárias, quase desfeitas. Os dentes molares dos nossos sargos servem-lhes exactamente para isso. Os incisivos apanham, trincam, e os molares desfazem. A parte orgânica é assimilada no estômago, o resto é expelido fora. Essas particulas são isto mesmo, cracas. Nos Açores, as cracas são de muito maior dimensão, e utilizadas na alimentação humana. 


Molhes, diques, paredões, tudo serve para fixar organismos, a que muitos dos nossos peixes chamam comida.


A maior parte das pessoas não sabe, mas algumas das nossas cidades com portos de mar têm paredões com profundidades relativamente baixas. 
Ainda assim, onde há um buraco na estrutura, pode perfeitamente estar um inquilino: um safio, uma santola, …
Os pés-de-galo têm sempre muita vida, a qual, em zonas muito pressionadas pela presença humana, …sai à noite. 



Vítor Ganchinho




Comentários