A DEGRADAÇÃO DO MEIO AMBIENTE OBRIGA A MEDIDAS EXTREMAS. NA PESCA TAMBÉM!

Num horizonte projectado a 2030, muito daquilo que hoje fazemos em termos de pesca lúdica será proibido.
As medidas tomadas implicam uma mudança radical na forma de encarar a produção de materiais plásticos, e afectam tudo. E nomeadamente a pesca desportiva.
Muito do equipamento do pescador acaba por, de uma ou outra forma, ser altamente poluente para o meio ambiente. Exemplos? O chumbo, das vulgares chumbadas.
Sabem quais os números envolvidos a nível europeu? De 2000 a 6000 toneladas/ano! É isso que se perde na natureza …no fundo do mar, e que a nós nos parece algo inofensivo.
Mas a nossa chumbada não é a única que prende na rocha, somos muitos a quem isso acontece. A União Europeia está de olho neste dado, pelo que ele tem de nocivo em termos ambientais. O chumbo é um poluente.
Já estamos a passar agora por um período de transição, iniciado em 2021, e que é de 3 anos para objectos em chumbo até 50 gramas, e de 5 anos para objectos em chumbo acima deste peso.
Os fabricantes de chumbo contrapõem que 1 kg de chumbo custa 2 euros e que, por exemplo, 1 kg de tungsténio custa 30 euros. Vão pela razão preço.
O primeiro funde a 327 graus, o segundo a 3400 graus, logo com custos energéticos acrescidos.
Mas não fica por aqui.


Muitos fundos ficarão completamente envenenados por acção humana. Um dia, os peixes viverão num meio ambiente ainda pior...


Também os produtores de amostras de pesca terão de se reinventar, pois o plástico é um problema. Perdem-se amostras presas nas rochas e na boca dos peixes.
Falamos de amostras mas também das suas embalagens, as quais têm uma agravante: são utilizadas uma única vez, retiramos a amostra da embalagem e deitamos fora.
Isto aumenta a sua carga poluente. Aqui, o conceito é o da utilização única, factor também visado pela EU.
Tudo isto vai ter de mudar.
A pesca, como a conhecemos, vai mudar muito. Fala-se hoje de energia circular, tudo tem de poder ser reciclado.
O assunto do dia é a fabricação dia artigos de pesca correntes, os que fazem parte das nossas rotinas habituais. E isso pressupõe utilização de produtos biodegradáveis, para evitar a poluição do mar através de plásticos e outros que tais.
Tudo irá mudar, a começar pelos preços, Já se sabe que toca ao produtor garantir o pagamento da sua reciclagem, o que quer dizer aumento directo dos preços ao consumidor. Não há milagres.
O ciclo de eco-concepção está previsto, planeado, e hoje em dia os grandes fabricantes estão já a preparar-se para entrar no ritmo.
Este ciclo inclui o fabrico, o transporte, a distribuição, a utilização, o fim de vida, a valorização através de reciclagem, e finalmente a sua recuperação enquanto matéria prima para o fabrico de novo produto.

Difícil? Sim, mas necessário.


Já existem muitas regiões dos oceanos onde a vida é algo de raro.


A quantidade de fertilizantes que lançamos nos terrenos agrícolas está a envenenar as águas, e a distorcer por completo o equilíbrio ambiental.
As algas passam a ter condições de proliferação anormais, e isso está longe de ser positivo. A cada dia o problema marinho agrava-se, porque todos os dias empobrecemos mais e mais os solos. Nesta corrida desenfreada pela satisfação das necessidades alimentares.
Se cada vez mais existem mais pessoas, cada vez iremos necessitar de mais alimentos. E a solução encontrada, até agora, é a de acelerar a produção.
Fazer mais alimento em menos tempo.
As consequências são alarmantes para o mundo marinho, porque é ali que tudo vai desaguar. Tudo o que fazemos acaba no mar…de uma ou outra forma.
Na verdade, não falta alimento para todos. A produção é suficiente para que toda a gente tenha a sua parte.
Aquilo que acontece é que existem quantidades excedentárias em zonas muito longe dos locais onde a sua necessidade mais se faz sentir.
E por isso é necessário transportar alimentos, custeando o seu transporte, gastando combustíveis fósseis, e assim sendo, encarecendo produtos que, a serem produzidos localmente, seriam bem menos onerosos.
É o planeta a sentir a necessidade de se reorganizar.

O blog peixepelobeicinho está e estará sempre atento a questões ambientais. No limite, elas afectam a qualidade da nossa pesca.
Vamos obviamente continuar a acompanhar este processo, e a trazer-vos novos dados.



Vítor Ganchinho



😀 A sua opinião conta! Clique abaixo se gostou (ou não) deste artigo.

Comentários